Médico de braços cruzado com estetoscópio ao redor do pescoço e a frase com os dizeres: Hemorroidas: como saber se é hora de procurar um médico

Hemorroidas: como saber se é hora de procurar um médico

Data de publicação: 25/10/2018 16:51:00
Categoria: Doenças

Dores ao sentar, desconforto para dirigir, sangramento ao evacuar. Essas são situações enfrentadas por quem sofre com as hemorroidas, veias que podem inchar, sangrar e doer. Apesar de não ser considerada uma doença, e não trazer grandes problemas à saúde, a hemorroida pode causar muito desconforto.

As hemorroidas são veias que ficam ao redor do ânus ou do reto. Elas se dilatam e contraem, de acordo com o movimento intestinal. Porém, elas podem se encher de sangue e não se esvaziarem, permanecendo inchadas, causando coceira, sangramento, dor, ardor e até mesmo se projetarem para fora do orifício anal.

Quais são os tipos de hemorroidas?
As hemorroidas podem ser internas ou externas. As hemorroidas internas costumam causar mais dor, e ficam localizadas acima do ânus, dentro do organismo. Já as hemorroidas externas se assemelham a varizes ou pelotas de sangue, e são visíveis na borda do esfíncter anal.

Existem níveis de gravidade para a hemorroida, sendo o mais leve a presença de sangramento ao evacuar. Um segundo estágio é quando o paciente faz força para evacuar, as veias saem pelo ânus, mas recolhem-se sozinhas quando o esforço termina.

Quando as veias têm que ser colocadas de volta para dentro do ânus com ajuda manual, as hemorroidas estão no terceiro estágio de gravidade. No estágio seguinte, bastam esforços comuns do dia-a-dia, como caminhar ou correr, para causar a exteriorização das veias, que podem sujar as roupas, liberar secreção, irritar a pele e sangrar.

Por fim, nos casos mais graves, conhecidos como trombose hemorroidal, há entupimento de um vaso sanguíneo, que incha e sai pelo ânus, causando dor intensa. Esse tipo de hemorroida costuma acontecer entre gestantes.

O que causa a hemorroida?
A prisão de ventre está entre as principais causas da hemorroida, já que a força para evacuar pressiona as veias presentes no reto e no ânus. A pressão exercida pelo feto no abdome, durante a gravidez, também pode colaborar para o desenvolvimento do problema.

Além disso, fatores genéticos, obesidade, sedentarismo, alimentação pobre em fibras, pouca ingestão de líquidos, a posição sentada por longos períodos e sexo anal podem ser causas da inflamação das hemorroidas.

Os casos mais simples de hemorroidas podem ser tratados com pomadas e supositórios. Em casos mais graves, pode ser necessário recorrer à cirurgia ou o grampeamento, que fixa a hemorroida de volta à parte interna do reto. Há ainda a possibilidade da realização da ligadura elástica, procedimento que mata a veia afetada.

Beber muito líquido e ingerir alimentos ricos em fibra facilita a evacuação, tornando as fezes menos secas e duras. Quando o paciente não precisa fazer força para evacuar, as hemorroidas tem menos chance de serem afetadas. Não insistir em evacuar quando há dificuldades também pode ajudar a proteger as veias de pressão desnecessária.

Em casos de hemorroidas externas, é prudente evitar papel higiênico e optar por lavar a região anal.

É preciso tomar cuidado para que a hemorroida não seja infectada por bactérias, o que pode causar febres, inchaço e outros sintomas. Porém, os principais riscos deste problema estão ligados à automedicação, sem buscar avaliação de um profissional da saúde.

É necessário visitar um médico antes de tentar tratar a hemorroida, pois outras doenças, como câncer, também podem causar a presença de sangue na evacuação. Tumores no ânus também podem ser confundidos com veias dilatadas e, por isso, é apenas a partir do diagnóstico clínico que a hemorroida deve ser tratada.

É importante buscar ajuda médica se o sangramento anal for intenso, persistir por mais de uma semana e, se a saliência externa que se formou no ânus endurecer.

Fontes

Tradutora e redatora: Daniela Souza
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim
Diretor técnico: Geraldo Majella

  • Gostou? Compartilhe: