Intolerância a lactose ou alergia: o que você precisa saber? SalutemPlus

Intolerância a lactose ou alergia: o que você precisa saber?

Data de publicação: 20/09/2018 00:00:00
Categoria: Doenças

O leite está presente na alimentação diária de muitas pessoas. Ele está nos bolos, iogurtes, tortas, biscoitos e vitaminas, mas nem todas as pessoas conseguem digeri-lo corretamente. Aqueles que têm deficiência da enzima necessária para digestão do açúcar do leite sofrem de intolerância à lactose.

O que é intolerância à lactose?
A lactose é o principal açúcar do leite, digerido pela enzima lactase. Sem esta enzima, responsável por quebrar a lactose em carboidratos que podem ser absorvidos pelo organismo, a lactose segue até o intestino grosso, onde é digerida por bactérias.

São os produtos dessa digestão que causam os desconfortos da intolerância à lactose: gases, dores de estômago e diarreia. A condição, que não é considerada doença, não causa riscos à saúde, diferente da alergia ao leite, que pode levar à morte.

Quais são os sintomas da intolerância à lactose?
Os sintomas da intolerância à lactose costumam aparecer de meia hora até duas horas depois do consumo de leite ou de seus derivados. O processo de fermentação da lactose pelas bactérias do intestino grosso libera gases e ácidos, que causam as dores, inchaço e flatulência.

Já a diarreia é causada pelo acúmulo de água no intestino grosso. Esse sintoma é mais comum em bebês e crianças e pode levar à desidratação. Os sintomas dependem do nível da deficiência de lactase, assim como da quantidade e da forma do alimento ingerido.

O que causa a intolerância à lactose?
É normal que o corpo pare de produzir uma grande quantidade de lactase depois da fase de amamentação, quando essa enzima é necessária para digerir o leite materno. A diminuição da lactase no organismo com o envelhecimento é a causa mais comum da intolerância à lactose.

Também é possível que a intolerância seja causada por doenças ou traumas. Além disso, há casos raros em que a condição é herdada geneticamente, fazendo com que a criança nasça deficiente em lactase. As crianças que sofrem de intolerância à lactose congênita também são intolerantes ao leite materno.

Intolerância ou alergia?
É importante buscar um médico na presença de sintomas adversos relacionados ao consumo do leite, pois ao contrário da intolerância à lactose, a alergia ao leite pode ser grave e colocar a vida em risco. A alergia ao leite não está relacionada à lactose, mas a uma reação imunológica às proteínas do leite.

Em contato com a substância, o alérgico pode fazer vômito, ter diarreia, sentir dores de estômago, desenvolver doenças respiratórias, como bronquite, e apresentar manchas ou coceiras na pele. Em casos graves, a alergia pode causar choques anafiláticos, e consequentemente a morte.

Como a intolerância à lactose pode ser tratada?
A principal forma de tratar a intolerância à lactose é limitar a ingestão de alimentos derivados do leite. Estão nesta lista: leite de vaca, queijos, manteiga, requeijão, biscoitos e bolos.

Para não excluir esses alimentos da dieta, uma opção é buscar marcas de leite e produtos derivados que oferecem opções sem lactose. Além disso, existe a possibilidade de ingerir lactase em forma de medicamento antes do consumo desses alimentos, evitando os sintomas da condição.

Encontrando novas fontes de cálcio
O leite é conhecido como fonte de cálcio e, para substituir o papel dele no fornecimento da substância para o organismo, é indicado o consumo de vegetais e verduras como couve, alface, abobrinha, repolho, brócolis, feijão e ervilhas. Outras fontes de cálcio, são salmão, sementes de gergelim, laranja e amêndoas.

Fonte:

Tradutora e redatora: Daniela Souza
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim
Diretor Técnico: Geraldo Majjela

  • Gostou? Compartilhe: